“O Korubo inspira-se nos safari camps africanos, que mesclam conforto e vida selvagem num mesmo pacote.....No fim da tarde, de volta ao acampamento,uma agradável surpresa: um banho quente nos espera.....Um ritual que se repete todas as noites após o jantar são os papos ao redor da fogueira. As refeições no Korubo, aliás, são sempre muito aguardadas.”


Jéferson de Sousa e Heudes Regis (fotos)
Viagem e Turismo

 

“ Mordomia e Comodidade até no meio do mato
“Tão surpreendente quanto a paisagem do Jalapão é uma de suas opções de hospedagem: o Safari  Camp Korubo ...

Karen Abreu
O Estado de S. Paulo

 


Safari Camp Korubo: “ Mais bem estruturado do que muita pousada por aí, a hospedagem alternativa não tem classificação hoteleira e as estrelas estão onde deveriam: no céu.”
“O Jalapão é uma fonte inesgotável de paisagens deslumbrantes e um desafio como  poucos.”

Maria Cristina Valente
O Globo

 

 

“O Safari Camp Korubo é um acampamento no melhor estilo de safári africano. Ou seja, um luxo só.”
“O Jalapão não é para meros turistas. É para exploradores natos. Esse pode não parecer o seu caso. Mas nessa terra do incrível, pode-se descobrir que essa afinidade com a natureza estava bem escondida dentro de você”.

Isabelle Somma
Jornal do Brasil


 


“O deserto humano do cerrado do Jalapão é a terra prometida do turismo de aventura. Trilhas difíceis, dunas, cachoeiras, chapadas inexploradas e fauna intacta formam uma paisagem única e desafiadora nos cofins do Brasil.”

André Vargas
Diário de S. Paulo

 

 

“Ao abrir mão de pequenos luxos e itens supérfluos, principal apelo de hotéis e pousadas, o Safari Camp diferencia-se por oferecer exclusividade e a possibilidade de o viajante interagir com a natureza e desfrutar da simplicidade que este contato proporciona, primando pela boa estrutura e pela qualidade do serviço...”

Janaína Fidalgo
Folha on Line


 


“ Os guias nativos, dão o charme adicional à coisa porque não têm a incontinência verbal de guias profissionais e se misturam, com sua graça naïf, à natureza.À noite, depois do jantar, eles podem se sentar diante da fogueira e lhe contar histórias, verdadeiras ou não, mas só se você pedir. A ordem é deixar cada um na sua”.

Cristina Ramalho
 Revista Diálogo Médico